Spleen e charutos

maio 24, 2008

Medo da chuva

Filed under: Spleen — spleencharutos @ 12:46 pm

Rian Santos
riansantos@jornaldodiase.com.br

O coração de meu amigo é um barraco na encosta. Vinte e nove anos de deslizamentos constantes o colocaram lá em cima. Não adianta o mestrado em filosofia, a leitura de Blake no original inglês. Tão logo o céu escurece no alto, sugerindo um copo de conhaque para arrefecer a aflição, os silvos gelados do vento empurram lembrança de muita lama pelas fendas rasgadas na memória de suas paredes.

Como alguém levanta a própria casa em terreno movediço? Foi também a pergunta que me fiz durante um tempo. Na realidade, são poucos os que distinguem o lugar mais adequado onde se encostar. A tragédia certa não é menos angustiante do que o vadiar sem propósito de um cachorro perdido. O alento de um abrigo é como refúgio criminoso, prédio ignorante de veleidades e conveniências. A primeira oportunidade deitada na cama da última chance. A mesma coberta, a baba escorrendo entre dois rostos no travesseiro. Somente depois vem a ciência do risco. Três dias seguidos de chuva, soterramentos e inundações.

Quando eu andava sem rumo, procurando acidentes na fortuna ordinária das esquinas, subia o morro e catava pedaços de papelão. Na feiúra descoberta das putas, encontrava o palmo de chão necessário para brincar meu latifúndio. Cavalices de macho, coices e desejos relinchantes. Nesse pasto de nojeiras galopantes, eu juntava quatro tijolos para sustentar um pedaço rachado de zinco. Enquanto não houvesse alternativa viável, me ajeitaria por ali.

É certo que uma hora a força da água deitará tudo abaixo. As toras de madeira dispostas contra o barranco nada podem contra a erosão continuada, cataclismo melífluo disfarçado em modos de mulher. Temo pelo amigo na beira da ribanceira. Lembro bem o gosto do barro, era esse o café amargo que provava todos os dias. Por isso, pode ser só um chuvisco, mas ao perceber qualquer sinal de precipitação, entorno uma dose de Domecq e afago com carinho minhas paredes de alvenaria. Não é agradável a lembrança que conservo da chuva.

Anúncios

4 Comentários »

  1. “Vem você me falar da chuva como se eu não a sentisse já grudada em meu corpo…”

    E como se, no fim das contas, não estivéssemos todos querendo aquele dilúvio. Aquele!

    Comentário por outra carol — maio 24, 2008 @ 1:57 pm

  2. Calango, essa foi fundo: …são poucos os que distinguem o lugar mais adequado onde se encostar…

    Comentário por Cândida — maio 24, 2008 @ 7:07 pm

  3. Sentir… sinta quem lê!

    rs

    Comentário por Zè pilintra — maio 27, 2008 @ 2:55 am

  4. belo texto, concordo com tudo

    A primeira oportunidade deitada na cama da última chance.

    descrição perfeita, embora quase não ficasse na versão final

    Comentário por derley — maio 28, 2008 @ 3:33 pm


RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: