Spleen e charutos

maio 30, 2011

Marcha afronta a caretice de Aracaju

Filed under: Spleen — spleencharutos @ 9:20 pm

Rian Santos
riansantos@jornaldodiase.com.br

Não somos apenas esses quatrocentos*

Quem marcha sai de um lugar na esperança de alcançar outro. Na tarde do último domingo, cerca de quatrocentos jovens – chute do próprio escrevinhador dessas palavras rasteiras. Uma estimativa deliberada, de quem estava no meio da muvuca e tentava mensurar o sucesso do movimento de alguma maneira – caminharam pela orla de Atalaia exercendo o maior de todos os direitos garantidos pela nossa Constituição. As câmeras da TV Sergipe não deram as caras. Não vi sequer um repórter com crachá pendurado no pescoço acompanhando a galera. Não faz mal. O que importa é que a gente estava lá.

Liberdade de expressão não é brincadeira e a saúde de qualquer democracia está sujeita a seu exercício. Quase nenhuma fumaça, muita alegria. Na concentração, os organizadores da marcha deixaram claro. Embora o corpo seja uma festa, ninguém ali estava promovendo um carnaval. O objetivo era chamar atenção para a causa, provocar o debate. A única motivação da Marcha da Maconha realizada em Aracaju foi a provocação de uma discussão franca a respeito das políticas públicas sobre drogas no Brasil.

Os argumentos que embasam a luta são, além de muito conhecidos, abundantes. Não é preciso o conhecimento de um cientista social para deduzir a relação entre uma legislação que criminaliza, além do tráfico, o cultivo e o consumo de uma planta, e a violência vivenciada pela população no cotidiano das cidades. As palavras de ordem entoadas durante a caminhada, entretanto, resumiam a peleja de maneira mais sucinta e direta. “Dilma Rousseff, legalize o beck!”; “U-hu Aracaju! Todo mundo fuma um!”; “Polícia é pra ladrão, pra maconheiro não!”; “Pula, sai do chão, quem é contra a repressão!” e, a menos politizada, e talvez por isso mesmo a que mais emocionou os maconheiros presentes, “Eu sou maconheiro, com muito orgulho, com muito amor”.

Quando a coisa bate – Antes da dispersão, a marcha passou pela Passarela do Caranguejo, onde a manifestação pacífica ganhou forte conotação política. Ali, distraídos pelo barulho dos bares, nossos familiares, nossos vizinhos, foram obrigados a nos reconhecer entre os maconheiros a quem sempre consideraram marginais. Pense no susto!

O pior é que não somos apenas os quatrocentos que saíram de casa e caminharam alguns metros para afrontar a caretice de uma cidade provinciana. Nos prédios mais altos de Aracaju, residem maconheiros. Nas melhores escolas da cidade, estudam maconheiros. Na fila do pão, na academia, no cinema, entre os amigos de sua filha, pode estar um maconheiro. Você quer mesmo que esse povo todo – um pessoal educado, que lhe dá bom dia ao entrar no elevador e cede a vez no supermercado para os idosos serem atendidos primeiro – vá em cana por causa de um pedaço de mato?

Foto: Igor Andrade

Anúncios

4 Comentários »

  1. foi emocionante, e de uma educação e entrega incrivel dos participantes , estamos todos de parabéns por quebrar o gelo e colocar o assunto na boca do povo

    Comentário por antonio dantas batata — maio 31, 2011 @ 2:28 am

  2. Também me amarrei! Tenho orgulho de ter participado disso!

    Comentário por spleencharutos — maio 31, 2011 @ 4:23 am

  3. Não fui, mas deveria ter ido. Apesar de não fumar nada, até porque sou um asmático fdido quase terminal, apoio totalmente essa causa – como qualquer outra causa libertária.

    Liberdade, ainda que tardia.

    Comentário por Adelvan — maio 31, 2011 @ 1:32 pm

  4. Sem apologia, só pra lembrar um trexo da música de tosh:
    “É bom para a gripe
    Bom para Asma
    Bom para Tuberculose
    Como também para Trombose de Numara”

    Legalize SERGIPE!

    Comentário por Deivson — maio 31, 2011 @ 4:11 pm


RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: