Spleen e charutos

fevereiro 2, 2011

André Teixeira e o encontro com os espinhos

Filed under: Spleen — spleencharutos @ 4:56 pm

Rian Santos
riansantos@jornaldodiase.com.br

Eu quero acreditar que ninguém alcança a página 15 do Jornal do Dia por acaso. Se o leitor venceu as picuinhas políticas e a publicidade que sustenta esse diário; se num piscar de olhos saltou sobre os problemas citadinos para refrescar a vista com duas gotas de reflexão, certamente amargava uma sede autoritária, daquelas que se impõem exigindo satisfação imediata. Para esse mesmo leitor, eu tenho certeza, o nome de André Teixeira é mais do que conhecido.

Jornalista forjado na convivência com o objeto de sua atenção – a linguagem artística, independente de segmentos –, Teixeira é responsável por dois dos blogs mais acessados da rede sergipana (Prog Cult e Lojinha dos Discos). Está certo que a frieza numérica dos contadores não é suficiente pra traduzir a qualidade ou a relevância de nenhum trabalho (quantos operários sangram, mutilados no escuro?), mas o trânsito de Teixeira entre os personagens da cultura local o credencia como uma voz digna de consideração.

No início do ano, Teixeira reuniu boa parte de seus escritos no livro “Poe-mails – poemas paridos no meio ambiente digital”. O trabalho está disponível para download no blog do cabra e proporcionou o diálogo reproduzido abaixo.

Jornal do Dia – A maioria das pessoas imagina que a poesia é uma atividade solitária. No prefácio de seu livro, contudo, você esclarece que os poemas reunidos no “volume” foram gerados a partir da interação proporcionada pelo meio ambiente digital (MSN, Skipe, GTalk, etc). Até que ponto a natureza controversa desse modus operandi está impregnada em seu trabalho?

André Teixeira – E é solitária sim! “Quando você ri, o mundo ri com você. Quando chora, você chora só.”

“Poe-mails” foi gerado, à exceção de três escritos, no meio ambiente digital. Além dos programas de mensagens instantâneas, interações por e-mail, scraps, mensagens, e as páginas do Overmundo e dos produtos culturais lá encontrados, toda essa comunicação foi espermatozóide e óvulo da poesia. Ou seja, as novas tecnologias da informação impregnam 100% da obra. Mas o modus operandi anda foi o velho encontro da mão com os espinhos, ainda que muitas vezes abstratos e subjetivos.

JD – Nesse mesmo prefácio, você aponta a influência da jornalista Ilma Fontes. Como se deu a sua aproximação com essa lenda viva da militância cultural sergipana? Porque a inteligência local é tão ingrata com os seus valores?

Teixeira – Rapaz, idos de 93, trabalhando na Columbia vídeo com Márcio André Andrade, então colaborador do jornal que me apresentou: O Capital, editorado por Ilma Fontes. De lá para cá foram vários encontros em épocas distintas. Em 2009 fui convidado para integrar o rol de colaboradores do jornal, papel que tenho pessimamente desempenhado. Mea culpa.

Devo a Ilma Fontes uma certa educação do olhar. De 1993 pra cá o Capital sofreu várias mudanças, mas o que lhe é perene é o comprometimento em documentar e manter vivos em muitos dos seus escritos o registro de uma cena, um recorte cultural transdiciplinar de Aracaju nesses 20 anos – e muitos outros venham! – de jornal.

Ilma é exemplo para cada um dos que querem escrever e mudar algo com seu escrito. Além da perseverança com que mantém o “jornal de resistência ao ordinário”, outro importante recorte é a curadoria mensal e registro dos artistas participantes das exposições na Assembléia Legislativa. Aliás, é ímpar esse bom trato que a ALESE dá à Cultura local no Espaço Cultural Djenal Queiroz.

Agora, saber por que a inteligência local é tão ingrata com os seus valores?… Talvez pela falta de uma visão mais holística, transdisciplinar, que vá além do próprio umbigo.

JD – Parece que o Overmundo foi fundamental na sua atividade poética. Depois do barulho inicial, quando a proposta de um sítio colaborativo, voltado exclusivamente para a cultura brasileira, ensaiou uma interferência muito positiva no ambinte artístico da terrinha, entretanto, a idéia caiu no esquecimento. Como explicar esse ostracismo? Na qualidade de blogueiro, você teria coragem de afirmar que o ambiente digital é o meio mais propício para a discussão sobre Cultura?

Teixeira – Do final pro começo: Afirmo que não só sobre a cultura, mas sobre todos os outros gêneros de atividades humanas. Mas não digo que deva se transformar num meio exclusivo. É apenas mais um meio para ampliar a conversação e democratizar a divisão dos pontos de vista, ainda que embole deveras o meio de campo.

O Overmundo teve uma campanha de auto promoção muito agressiva no início. Muitas interfaces de avaliação dos produtos culturais foram desenvolvidas e hoje qualquer um pode escrever e publicar. Mas não sou profundo conhecedor do trâmite legal do site. É explícito o pouco fluxo de postagens no site em relação a anos passados. Reversível? Acredito que sim. Mas tem muito trabalho para isso.

JD – O seu livro foi registrado sob a licença do Creative Comons. Como você avalia o recente recuo promovido pela ministra Ana de Holada, que retirou as licenças do Creative Comons, que permite o uso não comercial de conteúdo, do site do Ministério da Cultura?

Teixeira – Vejo como um recuo. A licença em Creative Commons é algo que dá vida à obra, independente do suporte. Permite que, legalmente, outra pessoa possa evoluir a obra. É uma perspectiva mais humana.

O primeiro livro de poesias que escrevi, “Um nome a cada dia”, tinha um registro na Biblioteca Nacional e uma autorização para distribuição viral (por e-mails, etc). Mas a política é meio que avançar dois passos e recuar um, dois, três… Enquanto a politicagem corre solta no jardim vizinho.

Não vejo com bons olhos essa ação.

JD – Quanto vale um por do sol para o poeta André Teixeira?

Teixeira – Ai depende de quanto ouro-prata possa ser brilhado no olho de quem vê. Um mar ou rio espelhados… Pássaros e sonhos com cerveja, camarões & lembranças frit@s. Se tiver uma lua cheia para equilibrar as marés… Tudo, mais cedo ou mais tarde, acaba sempre valendo o quanto pese na alma.

Anúncios

2 Comentários »

  1. Esse cara tem dado uma contribuição formidável à cultura sergipana, difícil de mensurar hoje, mas terá seu reflexo e reconhecimento maior (espero) no futuro. O Progcult é o que há de mais eficiente, democrático e culturalmente amplo por essas bandas. Tô com esse cabra-porta pro que der e vier, bela escolha pra entrevista!
    Se aceitar sugestões, vá de Silvio Karne Krua e Luiz Eduardo (Crove) nalgumas das próximas edições! (se já não tiverem passado por aqui por essa coluna!)

    Comentário por Rafael Jr. — fevereiro 10, 2011 @ 3:56 pm

  2. Onde se lê “cabra-porta”, quis dizer “cabra-poeta”!

    Comentário por Rafael Jr. — fevereiro 14, 2011 @ 2:31 am


RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: