Spleen e charutos

novembro 16, 2010

Com o coração na ponta dos dedos

Filed under: Spleen — spleencharutos @ 10:14 am

Rian Santos
riansantos@jornaldodiase.com.br

Há pouco mais de um ano, quando o jornalista Cleomar Brandi lançou o volume de crônicas “Os segredos da loba”, a inteligência da aldeia ficou toda ouriçada. Não era pra menos. Além de muito querido, Cleomar é conhecido pela intimidade que goza junto às palavras. Depois do fuzuê realizado pelo noticiário nos últimos dias daquele setembro, contudo, um silêncio sepulcral se abateu sobre as páginas de Cultura dos periódicos. Quem aproveitou a leitura foi egoísta e não se deu ao trabalho de comentar.

Eu nem lembro a natureza do compromisso que me impediu de comparecer ao lançamento para reiterar minha admiração pelo mestre. Dói a certeza, no entanto, de ter perdido uma farra daquelas que só o melhor copo da cidade sabe oferecer.

Felizmente, os mais antigos estão (quase) sempre certos. Nada melhor do que um dia depois do outro, com a noite no meio pra consolar nossas angústias. No último sábado, quando sentei no Bar do Camilo com o pessoal do Jornal do Dia e a matilha que sempre me cerca (a cambada tem de filósofo a estudante vagabundo), já contava com as lorotas margeadas pela beira do mangue. O que eu não esperava era ser presenteado com um exemplar autografado do livro que tive a cara de pau de não comprar.

Cleomar Brandi escreve com o coração na ponta dos dedos. Nas 165 páginas de seu único livro publicado (falam em mais de 700 crônicas no escuro da gaveta, aguardando a felicidade silenciosa das bibliotecas), um testemunho a respeito de suas maiores paixões – A palavra, a mulher, o jornalismo, a boemia (desconfio da ordem). Se todas as minhas ressacas fossem curadas com literatura de tamanha grandeza, tenho certeza, a cirrose não tardaria.

“Os segredos da loba” conta com dois belos textos de apresentação, redigidos pelos jornalistas Marcos Cardoso e Gilson Souza, que certamente tiveram o privilégio de provar as crônicas e lamber os beiços antes de todo mundo. A eles, além de uma inveja saudável, não tenho nada a acrescentar. Se uma ousadia fosse permitida, entretanto, resgataria o depoimento colhido sob o propósito do lançamento. Indagado por essa página a respeito de suas motivações (o verbo e a fêmea), Cleomar não titubeou. “A palavra é inquieta, cheia de esquinas, dança capoeira. A figura feminina tanto dança um frevo como um bolero, cheia de interrogações, tem fome de minotauro. E a gente gosta de tentar decifrar isso, apenas como um amador insistente”.

Assim é Cleomar, traduzido com muita fidelidade pela própria poesia. Fica aqui o agradecimento pela leitura. Ao mestre, com carinho.

Anúncios

1 Comentário »

  1. valeu cleomar pelas palavras e pela galhardia

    Comentário por derley — novembro 16, 2010 @ 6:51 pm


RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: