Spleen e charutos

novembro 10, 2010

Noite Fora do Eixo no Capitão Cook

Filed under: Spleen — spleencharutos @ 4:56 pm

Rian Santos
riansantos@jornaldodiase.com.br

A apresentação de uma banda estranha aos domínios de nosso conhecimento sempre oferece oportunidade para o confronto de certezas estabelecidas. Temos todos pré-conceitos, inclinações, preferências. Temos afinidades inexplicáveis, que desobedecem a qualquer tentativa de racionalização. De vez em quando, no entanto, um forasteiro chega de outro mundo – um planeta vermelho ou o apartamento do vizinho –, só para abrir uma janela desmedida na parede sólida de nossa apreciação.

Esta semana, o Capitão Cook abriga a etapa sergipana da turnê que os paulistas da Gigante Animal realizam pelo Nordeste. A banda é competente, dá conta do recado e ainda conta com a presença de Babalu em seus quadros. O cabra é filho da terra, velho conhecido da cena sergipana. A energia empregada pelo batera em bandas como a Karne Krua e Triste Fim de Rosilene promete uma performance cheia de empolgação.

Para minha surpresa, entretanto, a principal atração da noite não é a mais digna de curiosidade. A ocasião que propicia a necessária aparição das locais Perdeu a Língua e Nautilus – que cometem verdadeira injustiça com o próprio trabalho, manifestando-se tão raramente – revela ainda a maturidade alcançada por nossos músicos mais jovens. Depois de conferir o Myspace das três bandas que fazem a festa no Cook, não tenho dúvidas de que a instrumental de nome sugestivo tem tudo pra roubar a cena.

Com a boca cheia – Reza o ditado que em boca fechada não entra mosca. Eu, que já me familiarizei com o sabor da iguaria, faço ouvidos moucos e insisto no impulso de emitir opinião. Não existe dúvida de que a grande atração da noite é mesmo a apresentação da
Gigante Animal. Se fosse preciso apostar minha fortuna em um nome, contudo, a instrumental Perdeu a Língua correria o risco de voltar pra casa com os bolsos pesados.

A história do grupo é relativamente recente. A banda surgiu em meados de 2006, por iniciativa do baterista Tiago Babalu e dos guitarristas Luiz Oliva e Alex Prado, durante uma turnê da saudosa Triste Fim de Rosilene. Após o fim da caminhada pelo nordeste, os caras convidaram o baixista Maneu para tomar parte na empreitada. O resultado agradou, mas os caras se dividiram entre trabalhos paralelos (a exemplo da Snooze, Karne Krua e a paulista Debate) e acabou no que deu. Um projeto fantástico, encostado, sem atividade.

De qualquer modo, o som do quarteto é muito divertido. Com estrutura calcada no formato clássico do rock (Guitarra/Baixo/Bateria), o Perdeu a Língua agrega em sua sonoridade um espectro musical abrangente, tendo como resultante uma estrutura livre e sem amarras, que permeia desde o fraseado nordestino revisitado até o rock mais autêntico.

Para além do que informa o release da banda, é preciso mencionar ainda a habilidade de seus músicos. Não é qualquer neguinho que passeia por gêneros diversos, até mesmo antagônicos, com tanta desenvoltura.

Entronado no esforço de minhas peregrinações, eu julgava que conhecia tudo o que importava na música sergipana de nossos dias. Pra minha surpresa e felicidade, a banda Perdeu a Língua afastou o enfado dessa perspectiva e me provou que não.

Anúncios

Deixe um comentário »

Nenhum comentário ainda.

RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: