Spleen e charutos

setembro 16, 2010

Festival da Aperipê divulga selecionados

Filed under: Spleen — spleencharutos @ 12:27 am

Rian Santos
riansantos@jornaldodiase.com.br

Presença da banda Uma Ruma causa polêmica entre selecionados por festival

Não é de hoje que os músicos sergipanos reclamam a altura de um palco. Lá em cima, a música justifica os abismos da inspiração e alcança uma dimensão afetiva sem precedentes, retornando a certo estado primitivo, quando a ausência de suportes reduzia sua fruição à oportunidade da experiência. É com muita satisfação, portanto, que todos os personagens que gravitam em torno desse universo – artistas, produtores, público, jornalistas – saudamos o Festival Aperipê de Música, que acaba de colocar os primeiros selecionados à disposição do julgamento popular.

Desdeo último dia 13, o público pode eleger dez músicas que serão apresentadas no mês de outubro, de onde sairão as vencedoras nas seguintes categorias: 1º – Melhor Música com Letra; 2º – Melhor Música Instrumental; e 3º – Melhor Intérprete Vocal – cantor (a) ou grupo. Todas as categorias serão premiadas com troféus. Além disso, a Melhor Música com Letra e a Melhor Música Instrumental participarão da fase final do II Festival Nacional de Música da Associação das Rádios Públicas do Brasil (ARPUB).

“As músicas inscritas estão com boa qualidade técnica e estética, além de estilo equilibrado com a presença de diferentes perfis musicais”, afirma Edézio Aragão, diretor da rádio Aperipê FM. Segundo ele, a disputa promete ser acirrada e a participação do público é fundamental para a validação do festival.

Aragão afirma e eu subscrevo. Entre os primeiros selecionados, tem de tudo um pouco. De cantoria a rock duro, passando por bizarrices que, honestamente, desafiam o entendimento de qualquer diletante. Além disso, como sempre ocorre em qualquer espécie de seleção, algumas ausências foram muito lamentadas pelos militantes do meio. No presente caso, além da Villa Carmen (que nem chegou a se inscrever no festival), a novíssima e promissora banda comandada por Elvis Boamorte foi preterida pelo júri.

Bola pra frente – Por telefone, eu conversei com Aragão, na última terça-feira. O diretor da Aperipê FM fez questão de afirmar que, na sua avaliação, outros nomes poderiam ter sido selecionados. Aragão lembrou, contudo, que a decisão da comissão julgadora é soberana. Em relação a isso, concordamos que não cabe qualquer espécie de protesto. Não foi essa, entretanto, a razão que me levou a procurá-lo.

Está lá no Edital do festival, claro como água colhida na fonte. “3.1 – Não poderá participar, direta ou indiretamente, do presente concurso qualquer funcionário, ainda que em caráter temporário, ligado à ARPUB ou à FUNDAÇÃO APERIPÊ, bem como seus parentes até 2º grau”. Ocorre que Léo Airplane, um dos músicos mais atuantes e respeitados da cena sergipana, ligado a uma das bandas selecionadas, é irmão do compositor Alex Sant’anna, que por sua vez é funcionário da Fundação Aperipê.

Questionado pelo Jornal do Dia, Aragão se mostrou preocupado, e se comprometeu a verificar se Léo Airplane realmente faz parte da banda Uma Ruma, ou se atua como músico contratado. Eu não sei se essa possibilidade altera alguma coisa (o edital não é claro em relação a isso). Até onde meu conhecimento chega, no entanto, Léo é tecladista e sanfoneiro, fato que nos leva a acreditar que sua participação como guitarrista da banda Uma Ruma possui relevante componente afetivo. Como se não fosse suficiente, no Myspace dos caras, Léo Airplane é citado como membro da Uma Ruma.

Aragão se dispôs a procurar a reportagem do Jornal do Dia, assim que tivesse alguma informação a respeito do imbróglio, o que não ocorreu até o fechamento desta edição. Como ele mesmo lembrou durante nossa conversa, o Edital prevê que “Toda e qualquer reclamação ou denúncia acerca de irregularidades envolvendo qualquer música selecionada, deverá ser formulada por escrito e acompanhado de documentos comprobatórios, a ser entregue à Comissão Organizadora, que terá plenos poderes, visando a boa realização da missão específica, sendo suas decisões irrecorríveis, não cabendo recursos de qualquer natureza”.

Resta saber, portanto, se os músicos que procuraram o Jornal do Dia vão levar a peleja adiante. Pelo bem da lisura e isenção imprescindíveis a qualquer evento desta natureza, prefiro apostar minhas fichas nisso.

Anúncios

5 Comentários »

  1. No dia 03 de setembro, último dia das inscrições do festival Arpub, compareci na Rádio Aperipê com intenção de fazer a minha inscrição. Fui interpelado por Aragão que me disse que minha participação no concurso contrariava o regulamento por eu ser irmão de Gilvan, funcionário terceirizado da Fundap. Insisti na minha inscrição, sugerindo que aguardaria alguém se manifestar a respeito da irregularidade, pra só então me retirar do festival. Aragão me disse então com louvável franqueza: “Mas Eu já estou dizendo que voce não pode! EU SEI que voce é irmão de Gilvan e voce NÃO PODE participar do festival”. Prosseguiu dizendo que a Aperipê contava com meu nome para figurar como jurado. Ainda atordoado pela frustração de não poder concorrer, aceitei o convite para compor o júri.
    Me deparo agora com essa notícia. Reli o regulamento e vejo que a situação da Uma Ruma é similar à minha, mas ela está concorrendo no festival e eu não estou. O texto é específico – e não duvidoso – quando frisa restrição a participação “DIRETA OU INDIRETA” de funcionários ou parentes. Consultei advogado que me confirmou o que está óbvio no texto, que não permite outra interpretação. Léo Airplaine – contra o qual nada tenho de pessoal, claro! – pode ser autor, membro fixo, ou apenas músico contratado da banda, e sua participação sempre se enquadrará nas restrições previstas pelo regulamento.
    Particularmente, me incomodou o fato de que no meu caso não foi necessária uma reclamação por escrito. Bastou Aragão – o mesmo que sabe que Léo é irmão de Alex Sant’Anna – saber que eu sou irmão de Gilvan, para meu nome ser barrado.
    Confesso aqui que não fiz malandragem ao tentar me inscrever este ano. Apenas achei que regulamento não é levado a sério neste festival, já que no ano passado, num ‘excesso de honestidade’, tentei cumprir o regulamento por conta própria, evitei me inscrever e acabei sendo jurado no mesmo dia em que a Uma Ruma concorreu no palco.
    Acredito que não houve má-fé das partes. Tenho admiração e carinho suficiente pelos envolvidos para acreditar nisso. Pra mim o que tá faltando é mais gente atenta como Aragão foi comigo, por isso apresentarei no dia 20 a necessária reclamação por escrito, afinal regulamento é regulamento e deve ser cumprido por todos.

    Comentário por Deilson Pessoa — setembro 18, 2010 @ 11:46 pm

  2. Acabei de ler no site da Aperipê sobre a desclassificação da Alapada, que também JÁ ESTAVA PARTICIPANDO da votação pública mas Rian Santos veio e atrapalhou.
    Ou os corredores da Aperipê cresceram demais, ou nossa inteligência tem parecido cada vez menor.

    A música que inscrevi no festival tá aqui no myspace pra quem quiser dar um saque! http://www.myspace.com/deilsonpessoa

    Comentário por Deilson Pessoa — setembro 19, 2010 @ 9:22 pm

  3. Aleluia! Antes tarde do que nunca! Eu começava a imaginar que estava mais proecupado com a seriedade do Festival do que a Fundap. Em relação à matéria da Aperipê, apenas uma observação. Não sou eu quem diz que Léo é membra da Uma Ruma. Está lá no Myspace dos caras, pra quem quiser ver.

    Comentário por spleencharutos — setembro 19, 2010 @ 9:22 pm

  4. A Aperipê não preza pela lisura, vai rolar umas oficinas nesta sexta, sabado e domingo e seguindo o padrão erenice guerra, a Presidenta da Fundap Indira Amaral, está trazendo seu namorado de Recife para ministrar uma oficina no sabado, para quem não sabe é o Paulo André.
    O interessante é que este cidadão nem é mais o bambambã em pernambuco, a garotada do Coquetel Molotov a muito superou o Abril Pro Rock.
    quanto ele vai ganhar pela oficina?
    são perguntas que ficam no ar, e o dinheiro usado é o nosso.
    Você Rian que a principio parece não ter Rabo Preso, poderia levantar essa questão.

    Comentário por carlos francisco — setembro 22, 2010 @ 12:19 am

  5. Negar a importância do Abril Pro Rock seria como atirar no pé pela ilusão de vencer um embate.

    Comentário por spleencharutos — setembro 22, 2010 @ 5:11 pm


RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: