Spleen e charutos

julho 5, 2010

Vinte anos de saudade

Filed under: Spleen — spleencharutos @ 6:00 pm

Rian Santos
riansantos@jrnaldodiase.com.br

Amanhã o rock brasileiro completa vinte anos de saudade. No distante 07 de julho de 1990, Cazuza sairia de cena como nunca deixou um bar, sem direito a uma última dose, descobrindo, finalmente, de maneira dolorosa, que toda noite tem fim. O seu prazer havia se transformado em risco de vida, e após um sono tranqüilo, como informariam os jornais do dia seguinte, ele exalou seu último suspiro, vitimado pela tuberculose do século XX. Não havia como o dia nascer feliz…

Hoje eu reconheço em Cazuza uma das pedras fundamentais do chamado Rock Brasil – um conjunto disforme do que a molecada produzia nos gloriosos anos 80 –, mas à época, minha atenção estava completamente voltada para a Legião Urbana de Renato Russo, com quem Cazuza era constantemente comparado. Azar o meu. Depois de me livrar de todos os discos da Legião, já macaco velho, acabei tropeçando na discografia do Barão Vermelho. Aquilo, sim, era rock de verdade.

Não me entendam mal. A Legião exerceu um papel fundamental na formação musical de minha geração. Foi através das composições de Renato Russo que a maior parte da informação ligada ao universo pop chegou a nossos ouvidos. Frustrante foi a descoberta do pastiche. The Cure, The Smiths, Joy Division, entre tantas outras, eram mais do que simples influência para Renato Russo. Ainda pior do que isso, no entanto, foi desmascarar o poeta alardeado pelos meios de comunicação, e é aqui que Cazuza ganha todos os pontos.

Auxiliado por uma banda de rock autêntica, energia garageira no talo (o primeiro disco do Barão Vermelho foi gravado em quatro dias), Cazuza guardava uma poesia totalmente particular em seu peito. Renato Russo era o eterno adolescente, romântico e angustiado, de versos como “me fiz em mil pedaços pra você juntar”. Cazuza, maduro na flor da idade, era carne, osso e um monte nervos. Cazuza era um cara de verdade, e deixava isso claro quando lembrava que “o banheiro é a igreja de todos os bêbados”.

Era 1984, um mundo completamente diferente. As pessoas experimentavam as delícias de berrar qualquer coisa que lhes desse na telha, e Cazuza o fazia com volúpia, paixão e violência. Mesmo quando ele acenava para o amor, vislumbrava um sentimento com sabor de fruta mordida. Cazuza queria o mel e a ferida. Foi isso o que ele deu pra gente.

Anúncios

Deixe um comentário »

Nenhum comentário ainda.

RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: