Spleen e charutos

fevereiro 23, 2010

Dos inferninhos para a página do jornal

Filed under: Spleen — spleencharutos @ 8:18 pm

Rian Santos
riansantos@jornaldodiase.com.br

punk rock é assim mesmo!

Nas próximas semanas, o underground sergipano recebe visitas tão ilustres quanto diversas. Além da essência garageira, no entanto, as bandas possuem um anfitrião comum. A Renegades of Punk fará as honras da casa com uma energia punk que a simpatia da vocalista Daniela dificilmente deixa entrrever.

Jornal do Dia – Não é de hoje que eu saco o trabalho de vocês. Na época do saudoso Muquifo, no estacionamento do Riomar, já me impressionava o vigor com que uma guria encarava aquele bando de roqueiro podre, e fazia todo mundo bater cabeça com alguns poucos acordes. Mesmo com tanta “experiência”, no entanto, parece que o som de vocês continua relegado ao gueto. Como você encara isso? É assim mesmo? Existe uma carência no mercado local ou o som da Renegades não sobrevive fora do underground?

Daniela – É mais ou menos por aí mesmo. Desde que eu toco em banda eu toco rock n roll é asism. Sempre algo underground. A gente sempre habitou esse mundinho dos inferninhos e pequenas casas de show. Acho que existe uma carência no mercado local, porque o som que a gente faz – punk rock – e outros que são próximos dele têm muita dificuldade em conseguir fazer eventos e manter uma vida de banda, sabe? Tocar, mostrar seu som, vender seu material. Não sei se só sobreviveríamos no underground, mas é certo que nosso som não é comercial – no sentido de ser mais fácil de ser assimilado e vendido – e nem é feito com este intuito. Mas, por outro lado, não estamos de costas viradas para outros âmbitos ou para outras experiências, não. É só que parece que estilos diferentes têm um problema em se comunicar, ao menos aqui em Aracaju.

JD – Vocês tocaram recentemente em São Paulo. Como foi a experiência? Dá pra comparar as duas cenas?

Daniela – A experiência foi muito legal. Já tínhamos (eu e Ivo) tocado por lá com a Triste Fim de Rosielene, uma banda que tínhamos, e sabíamos mais ou menos do que se trata tocar lá. São contextos incomparáveis, ao menos quando se trata de uma cena Faça Você Mesmo. Lá, o underground, o punk, ou como você queira chamar, é algo estabelecido, tem público, têm lojas especializadas nisso. Existem muitos lugares para shows, muitos shows acontecendo e as bandas existem de fato. É muito diferente, chega a rolar um choque cultural mesmo.

JD – Não sei se a angústia é justificada, mas eu acho absurdo que uma capital com tanta banda legal como Aracaju não abrigue um festival de peso, a exemplo dos saudosos Punka e Rock-SE. Dá pra ensaiar a construção de uma cena num cenário como o nosso?

Daniela – Você tem razão. Festivais são muito importantes para a consolidação de uma cena local, para que as pessoas entendam o que é isso ou se não entendam, ao menos aceitem o rock n roll como uma forma de expressão musical. Fora que um festival colocaria Sergipe de volta ao circuito, faria com que o estado tivesse mais relevância no cenário nacional e se transformasse num ponto onde bandas tivessem mais interesse de vir tocar. Foi por ir nesses antigos festivais que você citou, por exemplo, que eu entendi o que era underground, que eu conheci bandas muito boas. É como se festivais assim tivessem um papel, social, político, didático, além do musical, óbvio.

JD – Embora estejamos longe demais das capitais, muita gente tem driblado a geografia e a ingerância do poder público com as ferramentas oferecidas pela tecnologia. Como é a relação da banda com essas ferramentas? A empolgação de algumas bandas é tamanha que nem parece que a internet serve mesmo é pra disseminar pornografia.

Daniela – A gente acaba se utilizando muito dessas ferramentas. Elas fazem a informação circular com muito mais rapidez, não é? Daí, principalmente para divulgação de eventos, a gente se utiliza de blogs, fotologs, várias modalidades de sites de redes sociais… Acho que essas ferramentas são muito importantes e têm resultados efetivos mesmo. Imagine como era difícil para uma banda independente marcar uma turnê a 20 anos atrás? Tudo via carta e telefone? Agora com email, msn e etc, você agiliza tudo muito mais rápido, e fora isso, pode ouvir e fazer contato com pessoas e bandas de várias partes do mundo – coisa que demoraria anos para ser feita se não houvesse internet, como a conhecemos hoje. É claro que não somos otimistas cegos dessas coisas, a gente tenta ser crítico e ver os aspectos negativos também. A internet nos abre algumas portas e fecha outras, mas é a dinâmica natural das novas possibilidades.

JD- E os planos da Renegades para 2010?

Daniela – Bom, a gente tem idéia de fazer um videoclip e de começar a preparar um álbum para o segundo semestre. Além disso, tem uns lançamentos pra sair: um 5-way – com Os Estudantes [RJ], Homem Elefante [RJ], Ornitorrincos [RS] e Velho de Câncer [RS] – e um re-lançamento do nosso primeiro ep em um vinil de 7’’ pelo selo alemão Thrashbastard.

Foto: Rafael Passos

Confira a genda da Renegades:

27/02:

VELHO DE CÂNCER (RS)
The Baggios
The Renegades of Punk
Thee Swamp Beat Brothers

Local: Rua Francisco Rabelo Leite Neto, 566, Atalaia (2 ruas atrás do Bar Cariri)

06/03:

WARCRY (EUA)
LUMPEN (BA)
KARNE KRUA
DEMONKRÄTZIE
THE RENEGADES OF PUNK

EXPOSIÇÃO DE DESENHOS DE THIAGO NEUMANN

Local: Rua Francisco Rabelo Leite Neto, 566, Atalaia (2 ruas atrás do Bar Cariri)

Anúncios

4 Comentários »

  1. Rian, você é o cara. Sempre dando espaço para quem merece tem tão pouco espaço em nossa provincia de Sergype Del Rey.

    Comentário por Adelvan — fevereiro 23, 2010 @ 9:23 pm

  2. Valeu Rian! Muito legal. Vou tentar pegar o jornal já já. Aparece nos shows, ok? Beijos, e valeu pelo espaço!

    Comentário por Daniela — fevereiro 24, 2010 @ 1:08 pm

  3. Parabéns pela entrevista cara!! Vamos agora torcer pra que os empresários de Aracaju abram seus olhos pros nossos talentos e os incentivem mais.Vai ser duro, mas não custa nada torcer!! Dia 27 estamos lá no show curtindo o som da Renegades!

    Comentário por Marcos Diego — fevereiro 24, 2010 @ 1:09 pm

  4. Muito foda a entrevista! ainda bem que existe a internet. do Rio posso acompanhar essa rapaziada que ta mandando brasa aí em Aracajú. muito bacana saber desse 5-way, fico no aguardo!

    Comentário por Leo — fevereiro 24, 2010 @ 4:27 pm


RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: