Spleen e charutos

outubro 8, 2009

Sem hora marcada

Filed under: Spleen — spleencharutos @ 4:48 pm

Rian Santos

Saudade do cronista, quando a notícia não passava de desculpa esfarrapada, um artifício sem vergonha para ludibriar meu editor. Impérios caíssem, suicidas covardes implorassem ajuda do alto dos edifícios. De minha janela, o rio me dizia que a vida não consulta o relógio. Por mim, o coitado encontraria o chão.

Nem onde, nem quando, nem como, nem por quê. Nenhuma hora, nenhuma data marcada. Somente a melodia das palavras, fiapo sem força, incapaz de me atar à realidade, bordado paciente que ocupava as tardes de minha mãe.

A leitura de suas mãos perdidas em linhas coloridas era mais rica e mais bonita do que o preto e branco do jornal. O mergulho da agulha na malha macia do algodão espetando as rugas de minha avó, o perfume do cigarro que minha bisa fumava sem parar, a voz apagada de gente que eu nunca conheci, embora os traga na feição.

Nada de greves, atentados, bombas, explosões. Que se foda todo mundo. Hoje é feriado, tenho um monte de lorota pra contar.

Anúncios

Deixe um comentário »

Nenhum comentário ainda.

RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: