Spleen e charutos

julho 25, 2008

A vida é doce

Filed under: Spleen — spleencharutos @ 10:46 pm

Rian Santos
riansantos@jornaldodiase.com.br

Antes era fácil. Uma palavra se agitava na turba de pensamentos remoídos, e tudo silenciava. Contas vencidas voltavam para o fundo da gaveta; as pessoas adormeciam na fila repentinamente esvaecida. Eu me concentrava naquela música estranha, piruetas de um vocábulo ansioso pulando no trapézio atônito de minha imaginação, e esquecia do vizinho, retrato animado de tudo o que me provoca repugnância.

Em mais de quarenta anos, meu vizinho não construiu nada. Nenhum verso adolescente justifica sua existência. Herdeiro de um estacionamento plantado aos pés de minha janela, o velho gordo, grave e asseado que levanta cedo e junta as mãos em preces sem devoção, passa os dias alisando o tecido fino de suas camisas, recebendo as oferendas que a cidade joga a seus pés. A ele, parasita de um pedaço de chão fecundado com o sangue e o suor roubado de negros escravos, são oferecidas todas as possibilidades do mundo. A mim, um fodido metido a esfregar nojeiras no nariz alheio, dois dedos de café amargo, e passar bem!

Eu deveria procurar rimas, cantar a bravura dos poderosos, lamber o saco, o rabo e o que mais pudesse babar nessa gente. Eu deveria me dedicar a versos. Sonetos, redondilhas, decassílabos heróicos e alexandrinos sustentando maravilhas de concreto, a providência dos viadutos eternizada com muita pompa e bajulação. Eu deveria desfraldar uma bandeira vermelha na porta de casa, engrossar as fileiras de quantos sindicatos. Eu deveria vender lições de vida. Eu deveria ensinar como conviver com um alcoólatra, como ajudar um viciado, como fazer um salário de puta velha durar o mês inteiro. Mas eu não sei como fazer nada disso.

Meu ministério não possui a leveza nem a graça das aventuras apropriadas. Não existe reflexão nem senso estético nas garrafas que atiro no meio da rua. Um dia me falaram desse veneno inebriante e destituído de propósito que muitos confundem com a poesia. Me enganaram. Não é doce como a vida, nem oferece pasto à sabedoria.

Anúncios

Deixe um comentário »

Nenhum comentário ainda.

RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: