Spleen e charutos

fevereiro 9, 2008

Sob a sombra de uma bandeira #2 (Só pra judiar)

Filed under: Spleen — spleencharutos @ 12:54 pm

Rian Santos
riancalangodoido@yahoo.com.br

Judiação! Uma pedra lançada ao acaso, só pra ver as ondinhas quebrando na margem, e quando eu me volto essa tempestade! Quem mandou escarnecer das teorias de Jung com um brinquedo de criança? Agora agüente. Força no leme, o norte marcado, que a peleja é ingrata. Vento, granizo e trovões. Tomara uma tábua livre dos destroços, a rebentação se aproximando, a praia milagrosamente embaixo dos pés. Nessas horas qualquer um se pega com o primeiro santo que tropeça os olhos beatos em cima da gente. Oxalá um imaculado desses lembre de mim!

A pedra foi lançada quinze dias atrás, em artigo que criticava a seleção de artistas locais escalados para participar do Verão Sergipe 2008. Elogios, congratulações (apesar da redação sofrida), e agora a cobrança. Tentei argumentar, atribuir a moléstia da agitação às dimensões do copo de água, mas não teve jeito. Eu, pirata fugido, empurrado aos berros para a sombra manchada de uma bandeira! Essa mania de se agarrar a idéias…

Mesmo os insatisfeitos admitem: Em relação ao evento promovido pela Secretaria de Comunicação do Estado, o Projeto Verão é uma maravilha. Algumas surpresas positivas, como a veterana Plástico Lunar e a The Baggios (a maior revelação da música sergipana nos últimos dez anos), além da sempre competente Maria Scombona, que já participou da festa em edições anteriores, demonstram que não houve a intenção de distribuir favores por parte da Funcaju. Mas isso nos traz a questão fundamental: Quais os critérios estabelecidos para convidar esses artistas?

Não é preciso citar nomes. Uma espiada apressada, e os casos esdrúxulos dançam diante de nossos olhos mareados. Cambalhotas, malabares zombeteiros desafiando nossa resignação. Todo mundo sabe quem tem trabalho pra apresentar, quem possui público formado e quem precisou de uma forcinha de amigos bem relacionados pra faturar o cachê, pago com dinheiro público, de R$ 3 mil. O resto é injúria, judiação. Já pensou uma vaia correndo a Atalaia, abafando o lamento comprometido dessas crianças geradas por um pistolão?

Anúncios

Deixe um comentário »

Nenhum comentário ainda.

RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: